Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Histórico
Início do conteúdo da página
Chapéu

Histórico

Publicado: Segunda, 21 de Outubro de 2013, 17h37 | Última atualização em Quarta, 10 de Junho de 2020, 10h15 | Acessos: 13019

Um breve histórico.

Independência do Brasil

      O Regimento esteve presente no Grito do Ipiranga por intermédio de elementos do então 1º Regimento de Cavalaria do Rio de Janeiro, Guarda de Honra do Príncipe D. Pedro, em sua viagem à cidade de São Paulo, em setembro de 1822.     Pedro Américo, no quadro Grito do Ipiranga, representou esses belos cavaleiros saudando o Imperador do Brasil, no momento culminante da nossa Independência, nas margens do Riacho Ipiranga.

     São os Dragões os primeiros brasileiros livres do jugo da Coroa Portuguesa.

Você sabia...

      Que Joaquim José da Silva Xavier (Tiradentes) foi Alferes do Regimento de Cavalaria de Minas que deu origem ao 1º Regimento de Cavalaria de Guardas? Portanto, ele foi um Dragão.

 

 

Proclamação da República

      Pode-se dizer que o 1º Regimento de Cavalaria configura-se como a mais entusiasta Unidade do Exército, com participação efetiva na memorável jornada de 15 de novembro de 1889.

      O Marechal Deodoro da Fonseca, ao aproximar-se do Ministério da Guerra, pediu um cavalo para montar. O Alferes Eduardo José Barbosa Júnior cedeu sua montaria, o cavalo baio nº 6. Então montando um cavalo do 1º Regimento de Cavalaria de Guardas, Deodoro proclamou a República.

 

Baio 6

      O cavalo tornou-se célebre. Presenteado posteriormente ao Regimento, deixou de ser montado até a data de sua morte, a 28 de fevereiro de 1904. Enterrado no picadeiro do Regimento, teve sobre a sepultura uma coluna de granito e cimento sustentando em mármore os seguintes dizeres: nº 6 do 1º Esquadrão, montada do General Deodoro a 15 de novembro de 1889. Por este motivo, a montada do Comandante do Regimento, tradicionalmente, é, e sempre será, um cavalo baio de número 6.

 

Sobre o regimento...

 

História dos Dragões

     Em 1808, a sede do governo português foi transferida de Lisboa para o Rio de Janeiro. Convencido, o Príncipe Regente D. João, de que não se podia ter um Exército forte sem uma potente Cavalaria, e que, para bem guarnecer a sede do governo, havia urgência de se ter uma tropa capaz de perseguir e destroçar o inimigo no caso de um desembarque, resolveu criar, em 13 de maio de 1808, um corpo de cavalaria, a quem deu a denominação de 1º Regimento de Cavalaria do Exército.

Ações Militares

     Em todas as ações militares nas quais esteve empenhado, o 1º Regimento de Cavalaria sempre fez jus aos mais exaltados elogios pela bravura, destreza e disciplina. Durante o período da Colônia, Império e República, desempenhou missões de uma inigualável importância no Sul, Norte e Centro do vasto território brasileiro.

     Assistiu o grito de D.Pedro I, às margens do Riacho Ipiranga, dando início à Independência da Pátria e contribuiu para que ela fosse uma realidade. Nunca desembainhou a espada, nem tampouco se serviu do cavalo, da lança ou da clavina com fins de amordaçar ou tão pouco inibir as justas aspirações do nosso povo.

    Nos campos de batalha pelejou galhardamente e houve momentos em que, sacrificando-se inteiro, salvou o Exército, mostrando compreender a mais bela, mas, também, a mais dolorosa missão da Cavalaria.

Você sabia...

    Que o 1º Regimento de Cavalaria de Guardas Dragões da Independência, participou de todos os grandes fatos históricos do Brasil desde 1808, e que seu uniforme figura em todos os livros de história do Brasil.

Algumas ações militares com participação dos Dragões

  1. Revolução Pernambucana de 1817                                                                              
  2. Episódio do FICO 1822
  3. Independência do Brasil 1822
  4. Confederação do Equador 1823
  5. Guerra Cisplatina 1825
  6. Batalha do Passo do Rosário 1827
  7. Proclamação da República 1889                                                                                                                           
  8. Revolta da Esquadra 1892
  9. Revolta Federalista 1894
  10. Campanha de Canudos 1897
  11. Revolta do Batalhão Naval 1910
  12. Revolução de 1922
  13. Revolução de 1924
  14. Revolução de 1930
  15. Revolução de 1932
  16. Intentona comunista 1935
  17. Movimento Integralista de 1938

 

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página